domingo, 12 de agosto de 2012

Alice


Não é só a beleza de um sorriso, mas poder acompanhar uma vida. Tive muitos presentes na minha vida (e acolho também a ambigüidade dessa frase) mas nenhuma presença tão intensa quanto da Alice. Ela carrega meu sangue: o que de mim me faz vivo; ela carrega de mim o meu nome: o que de mim me faz história; ela carrega o meu cuidado: o que de mim me faz pai.

A maternidade e a paternidade são as experiências mais compartilhadas e mais solitárias, pois ninguém vai poder me ensinar a ser Pai da Alice. Da mesma forma que ninguém vai poder ensinar a ser mãe dela, pois ninguém teve o coração tão perto do da Alice, e por isso, ela é a única que sabe ser a melhor mãe do mundo.  Posso aprender com as palavras, com os gestos e com os erros dos outros, mas só com ela estou podendo aprender a viver o que é o sabor de cada segundo vivido nesse lugar. Eu não sei explicar o que é poder começar a viver por gerações e a responsabilidade de querer que alguém se orgulhe de um nome: talvez, isso tenha sido uma das coisas que eu aprendi com mais força do meu próprio Pai. “o que fazes sem pensar aprendeste do olhar, e das palavras que guardei pra ti”

Não vou mentir: me dá medo. Talvez a maior prova da ambigüidade da minha vida: Como posso de mim gerar uma mulher? Esse é talvez o meu maior espanto! Pude e posso acessar em meu mais profundo íntimo aquilo que eu tenho de mais público, o que no meu gesto se funde entre a minha historicidade e meu corpo: todos os masculinos e femininos que pude viver. Assim, “Sou fera, sou bicho, sou anjo e sou mulher, sou minha mãe, minha filha, minha irmã, minha menina, mas sou minha, só minha e não de quem quiser. Sou Deus, tua deusa meu amor”.

O grande mistério de amanhã é saber o que de novo vai gerar em mim o teu sorriso, o que de novo vai gerar em mim o teu olhar, e para onde nós vamos poder olhar juntos. Todo cuidado é pouco e (h)aja coração! “Vamos descobrir o mundo juntos, quero aprender com o teu pequeno grande coração, meu amor, meu amor...”
Alice, te amo.
Se torno público é porque um dia quero ler isso contigo.


3 comentários:

  1. Parabéns pelo belo texto. Fico feliz em saber que nossa bela Alice tem um pai que sabe expressar seu amor de forma muito profunda.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns por um texto tão maravilhoso. Fruto de uma experiência que cresce a cada dia e te desafia a viver o desconhecido com fé e esperança de que serás bem sucedido. Abraços,
    Nazaré

    ResponderExcluir